Corumbá/MS, Domingo, 15 de Dezembro de 2019 |
27˚
(67) 3042-4141
Cotidiano
Quarta-Feira, 30 de Outubro de 2019, 11h:07
Tamanho do texto A - A+

Bloqueio em fronteira completa sete dias

Grupo arrecada doação de mantimentos e água para famílias da Bolívia

Laryssa Maier
Capital News

Divulgação/ Diário Corumbaense

Bloqueio em fronteira  completa sete dias

Os manifestantes despejaram dois caminhões de terra e entulho para continuar impedindo o tráfego no local

Nesta terça-feira (29) o bloqueio da fronteira entre Brasil e Bolívia em Corumbá, chega ao sétimo dia. Sem solução para o impasse na eleição presidencial na Bolívia, lideranças políticas contrárias ao presidente reeleito, Evo Morales.

 

A 425 quilômetros de Campo Grande, na ponte que separa Corumbá das cidades bolivianas de Arroyo Concepción, Puerto Quijarro e Puerto Suárez, a passagem de veículos está bloqueada, passam apenas carros em situação de emergência, como ambulâncias, e pedestres. Na segunda-feira (28), os manifestantes despejaram dois caminhões de terra e entulho para continuar impedindo o tráfego no local. 

 

A preocupação é com a escassez de água potável e gêneros alimentícios do outro lado da fronteira. Mas conforme o presidente do Comitê Cívico de Puerto Quijarro, Marcelito Moreira, há a falta de água potável vendida em galões.

Divulgação/ Diário Corumbaense

Bloqueio em fronteira  completa sete dias

Um dos três caminhões pipas na entrega de água para a população que faz fila para abastecer os galões

 

“Vamos continuar com a fronteira fechada até que haja uma decisão. Estamos lutando pela democracia e em conversa com os presidentes das associações dos mercados municipais, eles estão autorizados a ir até Corumbá para adquirir alguns produtos que estejam faltando, para que não haja um desabastecimento nesses comércios, como verduras, carnes, frangos e até mesmo água”, esclareceu Marcelito, frisando que esses produtos essenciais para algumas famílias, não chega até a região devido aos pontos de bloqueios na estrada Bioceância, em cidades que ficam às margens da rodovia, que liga o Brasil e a Bolívia.

 

Segundo Diário Corumbaense os bolivianos que foram às urnas no último dia 20 de outubro, quando o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) declarou Evo Morales reeleito, dizem que a contagem de votos que deu a vitória ao presidente, foi fraudada.

 

Os opositores pedem a realização do segundo turno e agora, a renúncia de Evo Morales, que nega a existência de fraude na eleição presidencial.

 

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix